terça-feira, setembro 29, 2009

Seleção Mestrado em Botânica da UFPR - 2010

Cerrado no Paraná

O município de Jaguariaíva (PR) abriga um dos últimos remanescentes de Cerrado no sul do Brasil. Mediante a disciplina de Flora Local / Formações Vegetacionais, graduandos de ciências biológicas e mestrandos do curso de botânica puderam estudar as características e as espécies vegetais existentes o Bioma mais ameaçado do Brasil. Ao contrário do que muitos supõem, o cerrado não apresenta espécies xeromórficas, pois o clima se caracteriza por duas estações muito bem definidas (seca e úmida), onde a precipitação anual fica entorno de 1.000 mm. O solo é rico em ferro e alumínio, profundo e argiloso (latossolo), sendo o lençol freático igualmente profundo. Por isso as espécies apresentam sistema radicular profundo. A vegetação herbácea, seca no período de seca constituindo-se o combustível para os incêndios, os quais ocorrem naturalmente nos cerrados. Espécies arbustivas / arbóreas apresentam adaptações especiais para a sobrevivência aos incêndios, os troncos possuem casca extremamente engrossada e folhas espessadas. Relatos indicam que os indígenas iniciavam incêndios no cerrado, para a caça e preparação do solo para a agricultura. O cerrado existente encontra-se preservado, dentro dos limites do Parque Estadual do Cerrado. Neste Parque foi realizado estudo muito relevante sobre a composição florística, disponível no site: http://ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/acta/article/viewFile/6866/4875

Orquideas / Orchids


As orquídeas (orchids) constituem a maior família de plantas, estimada entre 20-25 mil espécies. Ocorrem em todo o planeta, exceto nas regiões polares e nos desertos, alcançando o norte da Suécia e Alaska até a Tierra del Fuego e a ilha Macquarie. Porém a maioria das espécies ocorre nas regiões tropicais, crescendo diretamente no solo, sobre pedras, ou, principalmente, como epífitas.
A família Orchidaceae foi descrita em 1789 por Antonie Laurent de Jussieu, na obra Genera Plantarum, sendo que anteriormente Linneus, em 1753, havia descrito a espécie typus da família, Orchis militaris L., já no 2º volume de Species Plantarum. O nome deriva de seu antigo uso afrodisíaco, pela semelhança das raízes com testículos, onde foi citado por Teofrasto na sua obra Investigação sobre as Plantas e mais tarde por Dioscórides em Materia Medica, onde ele descreve duas orchis.
Com a expansão do império britânico no século XIX, iniciou-se o interesse pelo cultivo de orquídeas. Atualmente a venda e o cultivo de orquideas cerca de nove bilhões de dólares anualmente. Atualmente diversas espécies de orquideas encontram-se sob ameaça de extinção, devido a forte coleta e a destruição dos hábitats.
Diversas linhas de pesquisa em botânica vêm desempenhando esforços para a compreenção evolutiva, mapeamento populacional, descrição de novas espécies e tomando medidas preservação destas plantas.